Pelo Mundo
GABÃO
A validade do visto será de no máximo 90 dias, de acordo com a reserva aérea.

Documentos necessários:
- Passaporte com validade mínima de 06 meses.
- 02 Fotos 3x4 recentes e iguais.
- Formulário de solicitação de visto preenchido e assinado (2 vias).
- Cópia da passagem aérea de ida e volta conţrmadas ou printer de reserva.
- Cópia do imposto de renda completo.
- Cópia dos 03 últimos contra-cheques.
- Carta com todos os dados pessoais e comerciais e informando os motivos da viagem.

Se for a negócios acrescentar:
- Carta da empresa do Brasil
- Carta convite da empresa do Gabão.
Pazo para concessão: 07 dias úteis.

Informações Especiais:

A capital Libreville é considerada uma cidade relativamente segura, com baixos índices de crimes violentos. Há, porém, que se tomar certos cuidados com a saúde. A malária é endêmica no Gabão. O visitante deverá se prevenir contra a doença. A atividade do mosquito “Anopheles”, vetor da malaria, concentra-se no crepúsculo e no amanhecer. Nesses horários, quando se encontrar ao ar livre, o viajante deve procurar vestir calças, camisas de mangas compridas, sapatos fechados e utilizar repelente de insetos. Caso tenha febres altas (geralmente ao ţnal da tarde), dores nas articulações, tosse seca, dores de cabeça, náusea e dores no corpo, deverá procurar um médico imediatamente e realizar o teste de malária. É importante lembrar que a malária, em alguns casos, permanece incubada por um período de até um ano. Portanto, o viajante que tenha passado pelo Gabão deverá alertar seus médicos que esteve em região de malária endêmica caso venha a sofrer de tais sintomas em seu retorno. O viajante deverá tomar a vacina contra febre amarela, cujo atestado é exigido pelas autoridades aeroportuárias. Ademais, são recomendáveis as seguintes vacinas para quem viaja para o Gabão: tifo; tétano; hepatite A e B. As vacinas contra hepatite são tomadas em doses com intervalo de várias semanas. Na capital a água é tratada e não há risco em consumir gelo ou água que tenha sido ltrada ou fervida. No interior, contudo, deve-se preferir o consumo de água mineral.